terça-feira, 27 de setembro de 2016

Reencarnação

por H. Thiesen 

O dia tem seu fim com a chegada da noite e torna-se um novo dia com o nascer do sol. Uma estação, depois do seu trimestre respectivo, dá lugar à outra. Com o passar do tempo, as gerações nascem e outras morrem. Os velhos cedem seu lugar na Crosta aos jovens, que envelhecem e cedem seu lugar como os primeiros. A sucessão contínua, como um ciclo de nascimento, morte e renascimento. 
A vida é cíclica e permeia a natureza, embora  ela pareça ser linear. Os componentes de um ser hoje, depois da sua morte, serão os mesmo elementos químicos que farão parte de outro ser no futuro. Na Natureza nada se perde, tudo se transforma e é reaproveitado. Então não é absurdo que alguns investigadores da Antiguidade, tenham analisado a aparente linha reta da existência humana e sugerido que a vida, assim como a Natureza, podem ser ciclos e não um horizonte linear. Várias religiões, filosofias e movimentos adotaram a crença de que a vida é cíclica, ou em outras palavras, de que a reencarnação existe.
Reencarnação, é um conceito no qual a alma, ou um aspecto dela, renasce em vidas sucessivas, sempre em direção de um caminho que leve ao encerramento do ciclo de nascimento, morte e renascimento. A grande maioria das religiões reencarnacionistas considera este o caminho para a purificação e salvação da alma.
No entanto, para os seguidores das religiões cristãs (na sua maioria), judaísmo e islamismo, a ideia da reencarnação parece estranha, pois tais religiões entendem a vida como linear (início, meio e fim). Ou seja, a existência aqui na Terra é apenas um passo que determina a qualidade da vida após a morte, em um local que for estipulado (céu ou inferno). Para quem acredita na existência de uma única vida terrena, seguida de uma vida eterna após a morte, a reencarnação é como uma infindável maratona no lugar de uma corrida de cem metros rasos.
Ao contrário do que todos pensam, o objetivo da reencarnação não é voltar à vida ciclicamente e indefinidamente, mas aproveitar para que cada uma dessas voltas seja o final do ciclo, atingir definitivamente a purificação e não voltar mais, unindo-se aos Seres Elevados e perto de Deus!

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

O poder da Palavra!

por H. Thiesen 

Ele era um renomado orador e palestrante, dizia que gostava de passar adiante o que sabia, ensinar o que havia aprendido e gostava de ser chamado para fazer suas palestras. Mas infelizmente, era era igual a tantos outros, que gostam de paparico, correm atrás da fama e adoram de ter mais e mais ouvintes.
Havia um velho, de idade muita avançada, que gostava de ouvi-lo e onde ele palestrava, o idoso com todas as suas dificuldades, se dispunha a ir e ouvir o que ele dizia. Ora, ele precisava aprender, saber sobre o amor verdadeiro, compreender o que era a tal da caridade!
Ao final de cada palestra, o palestrante arrumava seu material, juntava seus livros e anotações, dirigia-se para a porta de saída, com o peito estufado e orgulhoso, por ter sido escutado e ver o sorriso no rosto dos ouvintes. Sinal que agradou e que foi bem sucedido na sua explanação.
O velhinho olhava-o passar e o palestrante, apesar vê-lo em todas as suas palestras, sequer o cumprimentava, nem mesmo dirigia-lhe um leve sorriso.
Alguns anos passaram e o palestrante, do alto do seu púlpito, notou que o velhinho desaparecera:
- Ora, morreu ou encheu o saco! - pensou.
O palestrante, segui seu caminho, orando e exercitando a sua palavra. Cada dia ficava mais famoso pela sua capacidade de explanação e orgulhoso pelas assistências e audiências que recebia. Logo, recebeu convites para entrevistas em rádios e televisões. Suas palavras iam longe. Já chamavam-no de mestre!
Mas, chegou o seu dia, aquele dia que determina o fim da missão.
Qual foi a sua surpresa! Ele esperava acordar do outro lado em um local prazeroso, cercado de amigos e feliz, afinal, ele achava que tudo o que fez durante a sua caminhada terrena, havia lhe dado merecimento para receber melhor tratamento.
Ele sentiu-se perdido, sozinho e sem saber o que fazer do lado de lá. Logo o desespero tomou conta do seu espírito e acabou por leva-lo à escuridão e a cegueira. Caminhava, pensava e sentia-se cada vez mais sozinho. Esqueceu-se de tudo o que aprendera. Clamava por justiça. Gritava por socorro. Em sua volta somente escuridão.
- Sempre fui dedicado! Ensinei tanta gente e é isso o que eu mereço? Onde estão aqueles que ensinei e que fiz melhorar de vida? São todos uns traidores e me deixaram nessa solidão imensa e nesse vazio sem fim!
Depois de anos de agonia e sofrimento, ele lembrou que podia pedir. E, fez uma pequena prece.
Sentiu por instantes, seu espírito se aquecer e encontrou um pouco de paz. Lembrou-se então das suas palestras, lembrou-se das lições que ensinou e mais uma vez decidiu orar, e disse uma outra prece, a qual retirou de dentro do seu coração.
Ao terminar, viu um ponto de luz e caminhou até ele, cada passo sentia sua fé aumentar, precisava chegar e a luz ficava mais forte. Da luz veio ao seu encontro um ser luminoso, que a sua claridade cegava os olhos e mesmo forçando os olhos, ele não podia ver quem era.
Aquele ser luminoso ao alcança-lo, estendeu-lhe a mão e o palestrante a segurou:
- Você? O velho que assistia as minhas palestras? - Perguntou o palestrante surpreso.
- Sim sou eu, meu amigo! - respondeu-lhe o ser.
- Como? Era eu que ensinava e fiz tanto por tanta gente, fiquei nesta situação? E você, somente escutava!
- Ora meu amigo - respondeu o ser iluminado - eu te escutava, mas vivia conforme tu me ensinavas!

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Reflexões

por H. Thiesen 

Quando a luz do sol
cede lugar ao luar,
tenho reflexões
que me enchem os olhos de lágrimas!
A agitação das pessoas,
o murmuro do mundo,
me trazem reflexões
que molham os meus olhos!
Todos os meus dias,
o ontem,
o hoje,
e o amanhã,
são caminhos que me levam de volta,
de volta a mim mesma,
ao meu eu escondido!
É como uma volta para casa!
Sinto que estou mudando,
a cada hora,
a cada momento,
em cada esperança,
e na vontade que eu tenho para lutar.
E, eu luto para que tudo se modifique,
para que o terrível passe mais rápido,
que a desesperança seja mais curta.
O mundo é um lugar horrível,
mas eu sou parte dele,
mesmo que eu saiba que não sou daqui,
que sou de um lugar bem melhor,
um lugar mais humano,
onde existe a bondade.
Esse mundo é um lugar terrível,
cheio de injustiças,
repleto de egoismo.
Eu não sou daqui,
sou viajora,
uma passageira em trânsito
pela matéria,
e quero findar esta viagem,
terminar o que eu vim fazer.
Seja lá o que for,
mas eu tenho que fazer,
se é para sofrer, pois que seja,
se é uma missão, que eu tenha forças,
se é para aprender, que eu aprenda,
se é para viver isso tudo, que eu viva,
e que eu possa cumprir
do melhor jeito possível
e então poderei ir em paz e feliz!

PENSE NISSO:
Mesmo que a vida não seja fácil, mesmo que tudo pareça errado, mesmo que o mundo esteja sobre as suas costas, não deixe seus sonhos evaporarem, eles não dependem de ninguém e muito menos de posses, lute com todas as forças, se não der para ter tudo o que pretende, agradeça pelo que tem, vá em frente! No mínimo você vai aprender e se fortalecer! Você tem uma missão e somente será feliz se cumpri-la! Viver é como uma escada, um degrau de cada vez, pulá-los é colocar-se em risco. A pressa na subida porde fazer o tombo ser muito pior! Degrau por degrau, um sonho de cada vez, primeiro os mais próximos e fáceis, depois desses os maiores, e eles se tornarão ao alcance das mãos! Lembre-se da escada, cada degrau possibilita alcançar mais alto, cada degrau fica mais perto do topo!

domingo, 31 de julho de 2016

Quando as coisas dão errado!

por H. Thiesen 

Creio eu que, quando algo dá errado, ganhamos duas oportunidades: 
A primeira é aprender como não fazer!
A segunda é aprender outra forma de fazer, para não repetir o erro. 
Na maioria das vezes, as coisas dão errado por nossa própria culpa, que não prevemos e não avaliamos os possíveis resultados. 
O erro e os equívocos, bem ao contrário do que pensamos, existem para nos levarem a um caminho de acertos. Não importa o que somos, o que fazemos, sempre nos darão outras oportunidades, basta-nos enxergá-las e aproveitá-las!
Geralmente, estamos acostumados a enxergar os fatos do dia a dia  de uma maneira superficial, ou seja, de um jeito aparente, considerando que os acontecimentos se apresentam exteriormente.
Quando algo ruim acontece, na maioria das vezes, consideramos um azar, de outro modo se algo bom aparece, classificamos como sorte. 
Nossa visão da vida e maneira de entendê-la é muito limitada, sendo assim, não podemos julgar com assertiva se o que acontece é ou não benéfico, pois não temos capacidade de afirmar qual o significado real do que acontece.
Quase sempre, não vemos a realidade e perdemos oportunidades, pois muitas bênçãos nos chegam disfarçadas de incômodos, bem como inúmeros infortúnios se apresentam mascarados de alegria.
Estamos sujeitos às leis que direcionam os nossos destinos. Nossos dramas, nossas escolhas, nossas venturas, nossos infortúnios e, suas consequências, são regidos pela lei de Causa e Efeito, felizes ou não, imediatas ou tardias, os resultados são assegurados pelo exercício do livre-arbítrio.
O que chamamos de sorte, nada mais é do que o resultado do nossos esforço. Do mesmo modo, azar é a consequência da nossa imprevidência,  da nossa irresponsabilidade e dos nossos erros. O acertos e desacertos refletirão a sorte e o azar no futuro.
Portanto, colhemos o que plantamos! Não existe acaso!
O que chamamos de sorte ou benefício sem esforço aparente é a vida oferecendo uma oportunidade, para que haja uma transformação e crescimento. Sendo uma concessão, se bem aproveitada, com  o amadurecimento e consciência de que fomos beneficiados, deverá haver a retribuição, servindo a outros, que por ventura, necessitem da nossa ajuda. 
O que consideramos azar, pode ser uma provação, para que possamos fazer uma averiguação dos nossos valores e um estímulo ao exercício das nossas virtudes. Se transformado em um impulso evolutivo, é ainda mais difícil de ser aceito, devido ao nosso nível de compreensão.
Um ser espiritualizado não dá importância à sorte ou ao azar, pois sabe que tudo é resultado da semeadura e que recebe da vida o que lhe é benéfico e necessário para a sua evolução.
Com o despertar da consciência percebe-se que a chamada “sorte” é conquistada pelo trabalho, paciência, perseverança e disciplina, pois qualquer outra forma de conquista é ilusão e prejudicial à evolução. As riquezas legítimas são frutos de aprendizado e do trabalho honesto, não sendo assim, é apenas ilusão, desconhecimento das leis de ação e reação e fuga das responsabilidades perante a vida.
Desse modo, sorte e azar deixam de ter qualquer significado, pois são realidades aparentes e o que os proporciona e muito mais profundo e complexo.
A sorte pode ser um instrumento de queda e de sofrimentos futuros e,por sua vez, o azar pode ser um instrumento de evolução mais rápida.
Todos nós, ao longo da caminhada evolutiva, já tivemos as nossas cotas de “sorte” e “azar”, uns mais e outros menos, algumas vezes maior e outras vezes menor, em qualquer aspectos da vida, e devemos nos empenhar no aprendizado, no trabalho, na autotransformação e na renovação interior.
Plantemos bem ou plantemos mal, a colheita é certa na medida e na qualidade que necessitarmos!
A vida é como uma roseira, as flores são lindas, mas também tem espinhos!

domingo, 24 de julho de 2016

Natureza Viva

por H. Thiesen 

É maravilhoso no Ser Humano, a capacidade de criação!
Somos capazes de conceber tantas coisas que a Natureza não está programada para criar.
Essa capacidade inventiva, nos faz responsáveis pela vida, não para matar, mas para dar continuidade à ela.
Essa aptidão, nos traz responsabilidades, como espécie dominante, para ajudar as outras espécies, que convivem conosco e que, de nós depende as suas sobrevivências.
Somos a única espécie capaz de transformar a Natureza, mas nos é necessário de preservá-la, para que ela não caia em colapso e nos leve ao extermínio.
A Natureza é viva, há muito mais tempo do que nós, perto dela somos crianças no início da vida. 
A Natureza responde, com autoridade, à todas as devastações que lhe são impostas, ela tem o domínio completo e irrestrito das Leis de Ação e Reação. A Natureza reage, com competência, à todas as ofensas que lhe são dirigidas, ela é implacável. Destruindo-a, nos destruiremos, mas ela sempre dá outra chance à vida. Já foi assim! Nos dias que ela programou as extinções anteriores, nós ainda não estávamos aqui e a vida tornou a brotar, ou no mínimo, ela poupou algumas espécies!
Cabe a nossa espécie, tão capacitada para evoluir e destruir, preservar a Natureza, para que os dias da próxima extinção, não se tornem um caos, que impossibilite à vida brotar novamente!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

A Inveja

por H. Thiesen 

Nossas dificuldades atuais são imensas e por isso, quase sempre, o nosso egoísmo se torna mais forte do que a nossa razão. Necessário nos é,  cuidar dos sentimentos que podem gerar dissabores e nos levarem a uma inércia na nossa evolução.
Entre os nossos maiores defeito, a inveja, resultado primeiro do nosso egoísmo, é o sentimento com maior capacidade de prejudicar a nós mesmo e a quem o direcionamos. Segundo os dicionários esse sentimento é um "desgosto, mortificação, pesar causado pela propriedade ou êxito de outrem, acompanhado do desejo violento de possuir os mesmos bens, ter coragem de tomar as mesmas atitudes, ser como o outro".
A dificuldades para aceitarmos em nossos corações, que ainda sofremos com sentimentos pequenos e mesquinhos como o da inveja, é enorme, devido ao nosso estado e nível evolutivo, mas temos que domá-los ou ficaremos  sempre querendo ou tentando ofuscar o brilho dos nossos irmãos.
No céu existem milhares de estrelas e nenhuma necessita que outra se apague para ela brilhar, o que esconde o brilho das estrelas são as nuvens e que consome estrelas são os buracos negros, mesmo assim as nuvens trazem a chuva para abastecer a vida e o buraco negro as engole para manter o equilíbrio do universo, segundo as leis físicas. Ambos não o fazem por inveja, mas necessidade e naturalidade.
Alguém, um dia, nos aconselhou para que deixássemos brilhar a nossa luz:
- Brilhe a vossa Luz, disse-nos Ele.
Cada um de nós, possui luz própria e quem a possui não necessita apagar a luz de ninguém.
A inveja é um sentimento de antagonismo ao amor, sentimos inveja dos que nos substituem melhor, que fazem melhor do que nós, dos estão melhores do que nós, dos que são maiores do que nós, dos que são mais bonitos do que nós, dos que possuem mais do que nós, dos que possuem o que não temos, A nossa capacidade para invejar é infinita, desde a maneira para acender um simples palito de fósforo, passando pelos atributos físicos, até a maior riqueza que alguém pode ter.
Junto à inveja carregamos e desenvolvemos outros sentimentos e defeitos, passamos a julgar, ter preconceitos, a língua se volta à maledicência e intrigas. A inveja nos faz julgar e falar dos outros, cegando-nos e nos tirando da razão, passando a justificar nisso, os nossos defeitos. Em outras palavras, buscamos razões para disfarçarmos a nossa inveja. Quantas vezes vemos e ouvimos por aí que, se um homem é bonito e cuida do corpo é homossexual, se uma mulher é bela e decide usar roupas que definem o seu corpo é prostituta, se alguém compra uma casa melhor, está roubando do patrão, do governo, se uma mulher subiu de cargo, fez sexo com o diretor, etc, etc, etc.
A inveja é irmão gêmea do orgulho, disfarçados de amigos. Invejamos por que ficamos com o orgulho ferido e não aceitamos o sucesso dos outros. Esse sentimento mesquinho, chamado inveja, é capaz de desencadear ódios, originar guerras e destruir o que causa o bem.
O invejoso é um cego que não mede esforços para destruir, ao pedir um favor cerca-se de bons sentimentos e atenções, mas depois de atendido, apenas lhe fizeram e pagaram pelo que lhe deviam, ou seja, ao fazer um pedido, mostra-se a melhor pessoa do mundo, depois que consegue, vira o prato onde comeu. Amizade para o invejoso é um sentimento que não existe, ele se importa pouco com ela, o seu orgulho fala mais alto, é o verdadeiro "amigo da onça".
Para nos mantermos longe da inveja, melhor é cuidar da nossa própria vida e deixar de virar o olho para a vida dos nossos semelhantes. Precisamos ter o pensamento que somente o nosso irmão e Deus, sabe como ela é na sua intimidade.
Afastar-se da inveja, não significa não senti-la, mas sim, reconhecer suas possibilidades, sua força interior, sua capacidade de vencer a si mesmo. Sentir inveja é natural, é hipócrita quem diz não a ter. Não podemos é nos deixar dominar por ela, deixar que ela se torne um hábito e se transforme num martírio envolvendo pessoas e nós mesmo.
Para encerrar, duas frases que resumem bem o sentimento da inveja e a vontade de vencê-la:
- Onde há inveja não pode haver amizade! (Luiz de Camões)
- O grande guerreiro será sempre o que vencer a si mesmo! (André Luiz/Chico Xavier)
Vençamos os nossos sentimentos mesquinhos, busquemos sempre a harmonização, nos sentindo felizes com as conquistas alheias, aceitando o sucesso e a superioridade do nosso irmão e aprendamos a incentivá-los ao crescimento e progresso.

sábado, 16 de julho de 2016

Tolerância

por H. Thiesen 

Perdoo-me pelas minhas possíveis faltas, 
por que sei que não sou perfeita,
Perdoo quem quer que comigo falte,
por que preciso desse perdão,
Não somos de todo ruins,
Evoluímos com o tempo,
e no tempo necessário,
Não existe ser humano que passe
todo tempo na ociosidade,
e na desarmonia
Mas existe uma palavra que nos auxilia
a romper todas as barreiras do nosso ser:
- TOLERÂNCIA.

Tolerância significa “suportar em silêncio", entretanto a palavra possui outros sentidos:
Enfrentar o contraditório para testar os limites do que acreditamos ou pensamos acreditar. Olhar de frente para o contraponto, que se reflete nas palavras alheias, sem vê-las como adversárias.
Entender que a verdade é muito maior e que ninguém a possui em plenitude. O processo de construção da verdade passa pela capacidade do entendimento entre os indivíduos.
Quem pensa diferente não é nosso inimigo, apenas pensa diferente.
A diversidade de opiniões possibilita, que na lógica da existência, existam respostas contraditórias para as mesmas questões. Assim sendo, podemos estar certos a partir de A ou B, como outros, com outras respostas, também podem estar certos, baseados nas suas filosofias, modos de vidas, costumes, épocas, etc. E, à propósito, também podemos estar todos errados.
Uma condição de escutar, entender e responder sem paixão, sem pré-julgamentos, ou até mesmo silenciar.
Quem concorda conosco não é, por isso, melhor ou mais inteligente, é somente alguém que nos agrada e que tem paridade de pensamento conosco.
A verdade é um paradoxo, perspectivas e pontos de vistas diferentes podem convergir para resultados válidos, mesmo que pareçam contraditórios.
Quais são os nossos limites? São os limites da lei vigente e do respeito pelo outro. 
Devemos fazer, ou ter, um acordo social sobre as conjunturas da convivência, começando por nós mesmos, exercitando a aceitação no nosso íntimo.
Tudo pode ser avaliado e discutido. O requisito essencial para a não-barbárie é aceitar as diferenças, como uma riqueza possível, desejável e recomendável, para que não caiamos em extremismos.